15 de maio – Dia internacional da família

Postado em 15 mai, 2013 - Psicologia
Fonte: Google Imagens

Fonte: Google Imagens

“Um dia a gente aprende que família é
pai + mãe = criança
e deixa de observar que há muitas,
muitas outras combinações possíveis:
mãe + criança = família
pai + criança = família
irmão + irmão = família
avós + netos = família
tios + sobrinhos = família
amigo + amigo = família
menino + cachorro = família
homem + livro + passarinho = família
A  gente aprende que o amor é
homem + mulher = criança
e esquece que podem haver outras,
muitas outras formas de amar.” (Liana Leão)

As Nações Unidas celebram nesta quarta-feira, 15 de maio, o Dia Internacional das Famílias. Este ano, o tema é o avanço da integração social e a solidariedade entre gerações.

Segundo o IBGE a família é definida como um conjunto de pessoas ligadas por laços de parentesco, dependência doméstica ou normas de convivência, residente na mesma unidade domiciliar, ou pessoa que mora só em uma unidade domiciliar.

Do dicionário família sf (lat família1 Conjunto de pessoas, em geral ligadas por laços de parentesco, que vivem sob o mesmo teto, particularmente o pai, a mãe e os filhos. 2 Conjunto de ascendentes, descendentes, colaterais e afins de uma linhagem ou provenientes de um mesmo tronco; estirpe. 3 Pessoas do mesmo sangue ou não, ligadas entre si por casamento, filiação, ou mesmo adoção, que vivem ou não em comum; parentes, parentela. fig Grupo de pessoas unidas por convicções, interesses ou origem comuns.

Para a psicologia a família é definida como um grupo de indivíduos vinculados por uma ligação emotiva profunda e por um sentimento de pertença ao grupo, isto é que se identificam como fazendo parte daquele grupo. Esta definição é flexível podendo  incluir as diferentes configurações e composições de famílias que estão presentes na sociedade atual.

Assim como o móbile, a família é um todo composta de vários elementos ou membros, tendo habilidades para criar um balanceamento entre mudanças e estabilidade. Esta analogia torna-se útil para compreender os conceitos da teoria de sistemas aplicados à família, já que obrvando-se um móbile suspenso no ar vemos que ele é composto de várias peças se movem, umas mais rapidamente do que outras. Colocando-se a mão em uma das peças imediatamente influenciamos os movimentos de todas as outras e, após algum tempo, o móbile retoma seu movimento balanceado, mas não necessariamente na mesma direção de antes de ser tocado.

Adotar essa concepção para analisar a família implica considerar que:

a) o sistema familiar é composto por vários subsistemas: mãe-criança, pai-criança, irmão-irmão;

b) as relações desenvolvidas entre eles são únicas;

c) os processos pelos quais os padrões relacionais são estabelecidos, mantidos e como eles mudam em cada um dos subsistemas precisam ser comparados;

d) os subsistemas são interdependentes e, para compreendê-los, faz-se necessário considerar todos os subsistemas componentes da família;

Portanto, a família não deve ser vista mais como um conjunto de díades separadas, sendo que dentro do sistema familiar, há numerosas relações recíprocas, exigências de papéis e expectativas, variáveis históricas e de atitudes e, sobretudo, com as interações desenvolvidas pelos membros familiares ao longo do tempo.

Mensagem do Secretário-Geral da ONU para o Dia Internacional das Famílias, 15 de maio de 2013

Ban Ki-moon (Hanja: 潘基文; 13 de junho de 1944) é o oitavo e atual secretário-geral da Organização das Nações Unidas.

Ban Ki-moon (Hanja: 潘基文; 13 de junho de 1944) é o oitavo e atual secretário-geral da Organização das Nações Unidas.

As famílias mantêm as sociedades unidas, e as relações intergeracionais prolongam esse legado no tempo. O dia Internacional das Famílias deste ano é uma ocasião para celebrar as relações entre todos os membros da constelação que compõem uma família. É também uma oportunidade para refletir sobre a forma como elas são afetadas por tendências sociais e econômicas  e sobre o que podemos fazer para fortalecer as famílias em resposta a isso.

O desemprego obriga muitos jovens, muitas vezes ansiosos por ser independentes, a continuar a depender dos seus pais mais tempo do que o esperado. A falta de creches e infantários acessíveis está a complicar os esforços dos pais em famílias em que os dois cônjuges trabalham para combinar as obrigações familiares com o trabalho. Ao mesmo tempo que somos bem sucedidos na nossa procura por prolongar vidas, precisamos de ter mais atenção a pensões inadequadas e cuidados para idosos.

Estes desafios tornam o apoio da família mais importante que nunca: para o jovem à procura de emprego, enquanto vive com os seus pais, para o avô que conta com os seus filhos para o abrigo e cuidado, e para os muitos membros de famílias extensas que assumem responsabilidades de tomar conta das crianças.

Em todo o mundo, os membros das famílias estão a fazer a sua parte. Eles merecem o apoio de políticos e decisores, de instituições públicas e empresas privadas.

Há um crescente reconhecimento em todo o mundo que é preciso fortalecer as políticas de promoção da solidariedade entre gerações e apoiar programas e iniciativas intergeracionais. Há provas de que atribuir pensões adequadas e dar apoio aos membros das famílias que cuidam de idosos, não ajudam somente as pessoas mais velhas, mas famílias inteiras. Os programas intergeracionais de promoção ao voluntariado entre jovens e idosos beneficiam todas as gerações. As atividades e oportunidades para as pessoas de todas as idades se relacionarem, revitalizam comunidades inteiras.

As iniciativas intergeracionais também contribuem para dar resposta às prioridades de desenvolvimento globais. Elas combatem a desigualdade e a exclusão, incentivam a cidadania ativa e até mesmo melhoram a infra-estrutura pública por meio de projetos de base comunitária.

Neste Dia Internacional das Famílias, exorto os governos, a sociedade civil, famílias e indivíduos a apoiar as iniciativas que unem as pessoas ao longo de gerações para a construção de um mundo mais saudável para todos.

Referências:
DESSEN, Maria Auxiliadora. Desenvolvimento familiar: transição de um sistema triádico para poliádico. Temas psicol. [online]. 1997, vol.5, n.3, pp. 51-61. ISSN 1413-389X.

Galera SAF, Luis MAV. Principais conceitos da abordagem sistêmica em cuidados de enfermagem ao indivíduo e sua família. Rev Esc Enferm USP 2002; 36(2): 141-7