Dia das Crianças Sem Consumismo: é de pequeno que se aprende.

Postado em 1 out, 2013 - Dicas Mamães

Posted on  by 

cropped-capa_dia-das-criancas

Criança

Riso

Som

Carinho

Beijo

Pé no Chão

Brincadeira

Corda

Bola

Pipa

Roda

Pião

Sol

Chuva

Dia

Noite

Medo

Assombração

Cantiga

Abraço

Embalo

Aconchego

Sonho

Emoção

Nesta rima consumismo não tem lugar, não.

(Vanessa Anacleto)

Queremos dar sempre o melhor para nossos filhos e o Dia das Crianças, tão esperado pelos pequenos, pela indústria e pelo comércio, é uma boa oportunidade para refletirmos sobre tudo aquilo de bom e de melhor que podemos oferecer às nossas crianças. É um bom momento para aprendermos a desconfiar daquele primeiro “eu quero” pronunciado efusivamente diante da televisão ou da prateleira das lojas de brinquedos.

Parece clichê, mas é fato que o de melhor que podemos dar aos nossos filhos não custa dinheiro, custa tempo e disponibilidade. Tempo com corpo, alma e coração presentes nos momentos com nossos filhos e disponibilidade para conhecê-los de verdade, assim como aos seus desejos. Nossa proposta é aproveitar o Dia das Crianças para pensar junto com as crianças sobre como diferenciar os nossos desejos genuínos e aqueles que são implantados pela publicidade.

A publicidade trabalha com sofisticadas pesquisas de mercado e age no nosso emocional focando as nossas vulnerabilidades. Raramente vemos um produto – para criança ou para adulto – que venda um atributo material: a publicidade atual vende atributos intangíveis, valores que muitas vezes correspondem às nossas lacunas pessoais. Então num anúncio de trem elétrico veremos a diversão da família sentada vivenciada no tapete da sala ao redor do brinquedo. E é isso que a criança quer: a diversão em família e não, necessariamente, o objeto anunciado.

O que está mais acessível? A vivência-brincadeira em família no chão da sala ou o objeto-brinquedo caro na prateleira da loja? Do que é mais fácil dispor? Tempo ou dinheiro?

Todo o marketing, todos os editoriais e todas as colunas de comportamento repetem que não temos tempo. E, acreditando que estamos sem tempo à nossa disposição, nos parece mais “fácil” trabalhar ainda mais para conseguir o dinheiro para comprar o objeto-brinquedo e satisfazer o suposto desejo da criança. E assim temos a tranquilidade de estar fazendo o melhor. Estamos mesmo?

É essa a proposta do Movimento Infância Livre de Consumismo para este Dia das Crianças: vamos trocar aquilo que está em qualquer prateleira pelo tempo de qualidade com nossos filhos. Vamos reduzir o número de objetos-brinquedo e vamos investir em vivências-brincadeira. Vamos ensinar às nossas crianças algo que mesmo nós, adultos, temos tido dificuldade de entender: que momentos vividos de corpo, alma e coração têm mais valor que os objetos promovidos na tevê.

E vamos aguçar os sentidos para perceber que estes momentos singulares e amorosos é que serão os que ficarão na memória dos pequenos para sempre!

A campanha cuidadosamente criada para vivermos um dia das crianças sem consumismo é resultado de uma colaboração afetiva de três profissionais da comunicação e do design:

Tudo começa com a criação do conceito “Dia das crianças sem consumismo. É de pequeno que se aprende” com Mila Bartilotti, que é redatora publicitária, compositora e – mesmo sem filhos – anda atenta às questões relacionadas à infância e comunicação e emprestou seu talento criando este conceito  que leva em conta o protagonismo dos pais na educação das crianças para mídia e para o mercado.

Depois passamos a selecionar as imagens mais adequadas para cada um dos títulos. As lindas ilustrações foram cedidas por Lu Azevedo, ilustradora, radicada no Canadá, apaixonada pelo mundo infantil. Ela tem dois filhos pequenos que são a sua fonte de inspiração diária: “amo a inocência deles, a facilidade que eles têm de amar, criar, imaginar e confiar nas pessoas, e acho extremamente maldoso se aproveitarem de tantas qualidades a favor do consumismo.”

As lindas imagens selecionadas passaram para as mãos de Pedro Serravalle para a direção de arte: pai de dois filhos, designer, especializado em Branding, adora brincar ao ar livre com as crianças. “Ando ocupado em oferecer as melhores experiências para os meus filhos, e observar o ativismo pela infância me mobiliza a contribuir com a estética do movimento.” Desde a fundação do Movimento, em março de 2012, Pedro já presenteou o MILC com diversas campanhas caprichadas.

A poesia que abre este texto é de autoria de Vanessa Anacleto, co-fundadora do Movimento Infância Livre de Consumismo, escritora, blogueira, autora do livro Culpa de Mãe. Com o filho Ernesto, de 6 anos, descobriu o quanto a infância está desprotegida dos apelos da publicidade e resolveu lutar.

Toda a ação para o Dia das Crianças foi planejada por Mariana Sá, também co-fundadora do Movimento Infância Livre de Consumismo e autora do blog viciados em colo. Como publicitária de profissão resolveu, assim que se tornou mãe de Alice e Arthur resolveu que não permitiria que os filhos fossem assediados pela propaganda: “felizmente, encontrei pessoas com a mesma reflexão e percebi que podia fazer muito mais que desligar a tevê”.

Agora é aguardar para ver o que vem pela frente…